O ex-governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB), em entrevista concedida à Rádio Correio FM, comentou sobre as ausências anunciadas pelo presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba, deputado Adriano Galdino (PSB), e pelo governador João Azevêdo (PSB), no ato “S.O.S Transposição”, que visa cobrar do governo federal sobre a situação da falta d’água no canal do projeto de Transposição do São Francisco em Monteiro, Cariri do Estado.

De acordo com o socialista, o ato é daqueles que acreditam na luta do povo pela Transposição do Rio São Francisco.

– Eu, se fosse vereador, deputado, senador ou governador, eu estaria. Como eu sempre estive. Eu acho que esse ato é daqueles que acreditam na luta do povo pela Transposição. Tem gente que não acredita e prefere não ir. Tem gente que não acredita e prefere vir com um discurso aguado, azedo, amorfo, de que se é um ato técnico ou um ato político. A Transposição não tem um problema técnico, tem um problema político. O canal está lá, as bombas estão lá. Então, essa discussão se é um ato político, ou um ato técnico é conversa para boi dormir. Como é que alguém é político e renega a política? – retrucou.

Indagado se havia convidado pessoalmente o governador João Azevêdo para o evento, Ricardo respondeu:

– A pergunta deve ser feita ao governador João Azevêdo. Se ele vai, se ele não vai. O convite é público. E o governador já foi convidado por muita gente. Outras autoridades também. Todas são convidadas, independentemente do partido político – ponderou.